quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

JÁ NÃO HÁ HOMENS; só há ganância

Os quatro homens mais ricos da Indonésia acumulam mais riqueza que os 100 milhões de pessoas mais pobres do país, de acordo com um relatório da Oxfam sobre desigualdade.
A organização aponta o dedo ao "fundamentalismo de mercado" que permitiu aos ricos captarem a maioria dos benefícios durante quase duas décadas de forte crescimento económico e generalizada desigualdade de género.
Num País, com mais de 250 milhões de habitantes, 93 milhões de indonésios (37,2 % da população) ainda vivem na linha de pobreza.
A Oxfam alerta que a instabilidade social pode aumentar se o Governo não mitigar o fosso entre ricos e pobres.
E em Portugal ?!?!?!
À  “Oxfam” NÃO QUER ou NÃO LHE INTERESSA ver/divulgar a REALIDADE.
 

VEJAM O QUE PAGAMOS NA FACTURA DA ELECTRICIDADE
[ VENDIDA (dá muito lucro) AOS CHINESES ]
 - 7% de Taxa para a RDP e RTP (para que Malatos, Jorge Gabrieis, Catarinas Furtados e outras que tais possam receber 17.000 e mais €/mês);
- 3% são a harmonização tarifaria para os Açores e Madeira, ou seja, é um esforço que o país (TODOS NÓS) fazemos pela insularidade, dos madeirenses e açorianos, para que estes tenham eletricidade mais barata.
- 10% para rendas aos Municípios e Autarquias. Mas que m... vem a ser esta renda? Eu explico: a EDP (TODOS NÓS) pagamos aos Municípios e Autarquias uma renda sobre os terrenos, por onde passam os cabos de alta tensão.
- 30% para compensação aos operadores.  750 M€ para a EDP, Tejo Energia e Turbo Gás.
- 50% para o investimento nas energias renováveis. Aqueles incentivos que o governo sócrates deu para o investimento nas energias renováveis e que depois era descontado no IRS, também o pagamos. Ou seja, mais uns 1.250 M€.
- 7% de outros custos incluídos na tarifa, ou sejam 175 M€. Que custos são estes? São Custos de funcionamento da Autoridade da Concorrência, custos de funcionamento da ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Eléctricos), planos de promoção do Desempenho Ambiental da responsabilidade da ESE e planos de promoção e eficiência no consumo, também da responsabilidade da ERSE.
E NAS BOTIJAS DO GÁS ???
 

 Isto é uma vergonha
NÓS TODOS pagamos tudo.
2 vídeos:

O CAOS
video
 
 

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

ENSINO em Portugal; o que aí vem?!

Cortes em algumas disciplinas, disciplinas semestrais, avaliação diversificada (…)
Estamos na antecâmara de mudanças significativas no ensino em Portugal, uma alteração profunda que vai afetar não só currículos mas também a forma como os professores trabalham e avaliam os seus alunos. A primeira dúvida que me ocorre é até que ponto a capacidade adaptativa dos professores é suficiente para uma mudança tão profunda? Não é uma crítica, é uma constatação... a desmotivação, o cansaço e a formatação de base que a classe exibe, mostra que a mesma precisará de tempo para se adaptar.
A resistência à mudança, a resistência a fazer algo diferente é garantida, seja pelos bons ou maus motivos...
A entrevista que fiz ao Secretário de Estado João Costa, deixou pistas relevantes do que aí vem. Se somarmos o que disse o Ministro da Educação, 2017 promete ser o ano de uma profunda reforma. A questão que se coloca, é se é esta a mudança que a escola quer e precisa?
Ficam algumas pistas:
AVALIAÇÃO DIFERENCIADA, AVALIAÇÃO TRANSDISCIPLINAR
A avaliação deve estar ao serviço das aprendizagens e não o contrário. Para isso, é preciso centrá-la na sua dimensão formativa, o que implica diversificar cada vez mais os instrumentos de avaliação: um ensaio, um projeto interdisciplinar de aprofundamento de temas, ou até um trabalho de robótica ou de interação entre arte e ciência é um instrumento de avaliação muito mais (in)formativo do que um teste escrito, que é, por natureza, limitado no que consegue avaliar. Numa lógica transdiciplinar, podemos identificar, entre diferentes disciplinas, trabalhos comuns que exploram conteúdos e competências de cada uma das áreas e que constituem instrumentos de avaliação partilhados.
DISCIPLINAS SEMESTRAIS
Sabemos que, hoje, em algumas disciplinas, os professores têm um número excessivo de turmas e alunos. Não descartamos a hipótese de dar às escolas a possibilidade de organizar algumas disciplinas semestralmente, concentrando mais horas em cada semestre e aliviando o número de turmas.
ESCOLAS A GERIREM O TEMPO SEMANAL
Por isso, vamos convidar cada escola a gerir uma parte substancial do tempo semanal, em projetos próprios construídos com as diferentes disciplinas. Esta flexibilização potenciará interdisciplinaridade, projeto e consolidação e aprofundamento de aprendizagens.
DEFINIÇÃO DE APRENDIZAGENS ESSENCIAIS
A definição deste perfil é uma peça de um puzzle maior… é um referencial do que se quer que seja o destino de cada aluno… as outras 3 peças deste puzzle são: definição de aprendizagens essenciais; estratégia de educação para a cidadania; legislação de educação inclusive.
CORTES NAS DISCIPLINAS DITAS NUCLEARES E REFORÇO NAS EXPRESSÕES
“Não há mais – e há muito que não as há – ciências dita “duras” e ciências dita “moles”, saberes essenciais e saberes dispensáveis; (Ministro Tiago Rodrigues)
Se somarmos a isto as provas de aferição, o fim de alguns exames, a municipalização que está mesmo aí e tendo em conta o pouco tempo que passou, estamos perante um Ministro que irá marcar a educação em Portugal.
Para bem ou para mal ???
Só falta mexerem no modelo de gestão(...)
por Alexandre Henriques
Será que é para lidar com “os millennials” ???



 

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

..... GRANDE LIÇÃO DE JUSTIÇA .....

aqui bem representada por esta história:

Um homem que viajava pelo Oriente, decidiu pedir alojamento num Mosteiro Budista na montanha. Deram-lhe um quarto com 3 janelas.
Pela 1ª Janela, viu vários monges completamente nus com o pénis sobre uma grande mesa.
Pela 2ª janela, viu uma mulher belíssima deitada nua numa cama.
Pela 3ª janela viu um Monge, a balouçar enforcado numa árvore.
Intrigado no dia seguinte perguntou a um monge sobre o que tinha visto pelas janelas.
Então o monge explicou:
Na 1ª janela viste uma cerimónia em que todos participamos que consiste em ficarmos despidos com o pénis apoiado sobre uma mesa grande. Então soltamos uma mosca e no pénis que ela pousar, esse monge, tem direito a passar a noite com a bela mulher que viste na 2ª janela.
…e o enforcado? (perguntou o homem)
Esse era o grande F. da P. batoteiro que ganhava sempre, até que descobrimos que ele besuntava o pénis com mel.
 

ASSIM FAZEM OS POLÍTICOS, AO “BESUNTAREM” O TEU CÉRBERO COM MENTIRAS,  QUE TAL COMO ÀS MOSCAS,  TAMBÉM TE ATRAEM !!!
 
 
video