quarta-feira, 8 de agosto de 2012

... ISTO É UMA PEQUENA PARTE DAS “coisinhas” DOS BANDALHOS QUE NOS TÊM (DES) GOVERNADO … TODOS ELES SE TÊM APROPIADO DE PORTUGAL



Por isso TROIKA só mesmo assim


QUEREM ELES QUE NOS PAGUEMOS O QUÊ e A QUEM ???

___________________________________



Sente-se no ar a desconfiança, o medo e a retracção... de um povo que percebe que a corrupção minou toda a nação. Camuflado de SLN, ou de BPN, comandado sempre pelos mesmos, o polvo da corrupção alastra os seus tentáculos por todo Portugal.
Um parasita voraz, insaciável alimentado há anos.
Em baixo consulte, uma lista de 40 crimes, cometidos em nome dessa divindade intocável, BPN .
Fingindo que gere, arruína.
Fingindo que investe, perde.
Fingindo que paga, endivida-se
Fingindo que empresta, dá.
Fingindo que poupa, esbanja
Fingindo que governa, governa-se
BPN / SLN eram e são uma teia que continua a destruir tudo que envolva dinheiro do estado. ( o nosso dinheiro )
BPN/SLN foi a forma mais disfarçada e simultaneamente mais descarada, que os políticos encontraram, de colocar o dinheiro do ESTADO, ao serviço do enriquecimento ilícito, da nossa elite de políticos e companhia.
Sem medo, sem vergonha... seguros da impunidade que grassa entre eles, pois os cabecilhas do Gang são amigos do Presidente da República??!
Navegue por este oceano de crimes cobardes contra um povo inocente que já não tem a capacidade de se defender... Ou porque desconhece que o saqueiam, ou porque mesmo conhecendo os crimes não encontra justiça que lhe valha.
1- O advogado e ex-deputado do PSD Duarte Lima foi detido, é suspeito de envolvimento em fraudes ao banco BPN de quase 50 milhões de euros. As autoridades suspeitam que Lima tenha usado dois testas-de-ferro para adquirir 35 parcelas de terreno na zona para onde chegou a ser anunciada a construção das novas instalações do Instituto Português de Oncologia (IPO), em Oeiras. Os negócios com os terrenos terão sido feitos em 2007 pelo filho do ex-deputado, Pedro Lima, e pelo empresário e também ex-deputado do PSD Vítor Raposo, sócios maioritários do fundo imobiliário Homeland, que realizou o negócio. Fraude fiscal, falsificação de documentos, burla e tráfico de influências serão crimes em que incorre o antigo líder parlamentar do PSD por envolvimento no negócio dos terrenos, para os quais o fundo Homeland terá conseguido um empréstimo no BPN de 43,4 milhões de euros. Vítor Raposo está a ser ouvido no Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), em Lisboa. Segundo fonte ligada ao processo, Vítor Raposo está a ser ouvido há cerca de uma hora pelo juiz Carlos Alexandre, depois de ter sido entregue, sob detenção, pela Polícia Judiciária.  (Actualizado 5 Janeiro 2012)
 2 - A Cimentos Nacionais e Estrangeiros, a chamada cimenteira da SLN é declarada insolvente em setembro de 2010, vai ver o seu futuro decidido em assembleia de credores com dois planos a votação. No sentido de recuperar o funcionamento daquela companhia, que tem um total de dívidas de 153 milhões de euros. O plano de insolvência da CGD prevê o pagamento dos créditos sobre a insolvência "até ao valor máximo de 42 milhões(...)  Sindicalistas e trabalhadores da CNE, Cimentos Nacionais e Estrangeiros, participaram hoje numa ação de protesto, contra a alegada "má gestão" e a insolvência da empresa, que poderá pôr em causa 72 postos de trabalho. A CNE é uma empresa do antigo grupo SLN (Sociedade Lusa de Negócios)
3 - O Banco Insular, uma instituição do BPN em Cabo Verde, que o banco encobriu ás autoridades de supervisão bancária durante quase seis anos. Grupo BPN, transferiu para o Brasil, entre Abril de 2003 e Setembro de 2008, mais de 439 milhões de euros. Só o Banco Insular, (propriedade da SLN) um dos alvos das investigações do Banco de Portugal e do Ministério Público, enviou verba superior a 232 milhões de euros – montante que representa 64% do seu próprio buraco financeiro, de 360 milhões de euros, e 33% do prejuízo oficial, 700 milhões de euros. Os dados do Banco Central do Brasil, que o C. Manhã consultou, não deixam margem para dúvidas: em apenas cinco anos o Banco Insular em Cabo Verde, o BPN Portugal, Madeira (SLN), BPN Cayman, off-shore nas ilhas Caimão, Banco Africano de Investimento (BAI), em Angola, Banco Efisa, Seac Banche,em Itália, e Erei – Excellence Real Estate Investments, na Holanda, transferiram para várias empresas do SLN 439 449 342 milhões de euros, ao câmbio actual. Ao todo, esta transferência de capital concretizou-se em 207  operações. Rota do dinheiro 9,7 mil milhões de euros foi a verba desviada, segundo a acusação do Ministério Público, do balanço contabilístico do Banco Insular, detido pelo BPN.
4 - A casa de férias que Cavaco Silva tem na Aldeia da Coelha, em Albufeira, foi adquirida através de uma permuta com uma empresa de construção civil que tinha uma participação de Fernando Fantasia, um dos principais nomes associados à SLN, antiga proprietária do BPN.
Na Aldeia da Coelha, Cavaco Silva tem por vizinhos Oliveira Costa e Fernando Fantasia, homens-fortes da SLN. O lote 8 comprado por Oliveira Costa. Segundo a investigação judicial ao BPN, o banqueiro terá pago a casa com verbas do próprio banco (via Banco Insular de Cabo Verde da SLN, um "veículo financeiro" por onde circulavam operações fictícias ). Fantasia, recorde-se, era o acionista das empresas Opi 92 e Pluripart, ambas em sociedade com a SLN, que adquiriram os terrenos da herdade de Rio Frio, Alcochete. Uma aquisição muito bem calculada,  concluída poucos dias antes do anúncio da localização, nas imediações, do futuro aeroporto de Lisboa (6MIL HECTARES). Para áreas semelhantes, há desde casas compradas por 100 mil euros (Teófilo Carapeto Dias e Cardoso Alves, em 1992) até à casa de Eduardo Catroga (que não faz parte do loteamento inicial, mas confina com a de Cavaco) por 750 mil euros. Meses antes, Oliveira Costa comprara a sua por menos de metade: 362 500 euros. A discrepância é ainda mais evidente na avaliação patrimonial que as Finanças fazem das propriedades. A de Catroga vale 52.322 euros. A de Oliveira Costa vale 158.690. A de Cavaco Silva está avaliada em 199.469 euros. A de Fernando Fantasia (que não tem piscina) em 307 440 euros.
5 - Cavaco comprou acções da SLN a um preço mais baixo que os accionistas. A polémica tem estado centrada no valor de venda; mas é sobre o valor de compra que ainda subsistem dúvidas. Qualquer economista saberia que dar 140% de lucro numa empresa que tem este tipo de actuação é impossível que seja legitimo. Mesmo que hoje considere que foi beneficiado com 350 000 euros de lucro (ele e a filha) não deveria branquear tal actuação. Não existe justiça neste País. Era preciso lançar um desafio ao Cavaco Silva para que voluntariamente devolvesse esses lucros ao BPN uma vez que tem origem numa fraude que prejudicou todos os portugueses. Cavaco Silva "nunca podia ter dito que não teve ligações ao BPN. Se teve acções da SLN, teve ligações ao BPN. Se é economista, ele sabe isso", afirmou Manuel Alegre à Lusa. O candidato considerou ainda “ao criticar a actual administração do BPN, Cavaco Silva está a procurar desviar as atenções do essencial, que é a gestão danosa da anterior administração". Quando os seus amigos rebentavam com o BPN Cavaco esteve calado. Quando Dias Loureiro mentiu ao Parlamento defendeu-o. Agora fala. Para atacar quem recebeu o presente envenenado.
6 - MAIS UM ESCÂNDALO ENVOLVENDO SLN/ DIAS LOUREIRO/ OLIVEIRA COSTA. ACEDA NESTE LINK. O Estado está a pagar por uma rede de comunicações do Ministério da Administração Interna um total de 485,5 milhões de euros, cinco vezes mais do que poderia ter gasto se tivesse optado por outro modelo técnico e financeiro. Contudo valores mais altos se levantaram e ganhou o compadrio da SLN e companheiros.
7 - Ex-administrador do BPN revela pagamentos ilegais. Meira Fernandes, um dos antigos administradores da equipa de Miguel Cadilhe, no BPN, diz que o banco efectuou pagamentos ilegais de vários milhões de euros a antigos administradores, colaboradores e outras entidades. ASSISTA AOS VÍIDEOS E VEJA A LADROAGEM QUE PAUTA OS NOSSOS ILUSTRES “SENHORES”.
8 - SLN comprou 6 mil hectares à volta do novo aeroporto. Fantasia, recorde-se, era o acionista das empresas Opi 92 e Pluripart, ambas em sociedade com a SLN, que adquiriram os terrenos da herdade de Rio Frio, Alcochete. E foi também através destas empresas que se venderam as moradias no Algarve a Cavaco Silva, Dias Loureiro, etc. O gestor foi chamado a uma Comissão de Inquérito Parlamentar sobre a acusação de que teria tido acesso a informação privilegiada sobre a nova localização do aeroporto (antes previsto para a Ota). A última propriedade a ser adquirida pelas empresas da SLN, e que o SOL noticiou há um ano, foi registada a 7 de Dezembro de 2007, dias antes de o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) ter informado o Governo de que Alcochete era a melhor opção para a construção do novo aeroporto. Uma sociedade com sede na Holanda, a Trasset Investment BV, adquiriu as acções da empresa dona dessa propriedade (a Gestoprata), sendo essa sociedade participada por empresas ligadas à SLN.
9 - Os contratos de Luís Figo e de Catarina Furtado serviram para lavar milhões de euros no Grupo BPN. Uma empresa offshore que apresenta 48 milhões de euros a título de crédito malparado ligados aos contratos que a SLN estabeleceu com a Fundação Luís Figo e com Catarina Furtado, entre outras estrelas, é uma das surpresas mais recentes no já volumoso dossier judicial sobre este banco. Acredita-se que as estrelas desconheciam este esquema. O CM sabe que esta operação e estes valores, sem correspondência com as somas realmente pagas às estrelas que colaboraram em campanhas publicitárias do banco, estão a ser investigados pelo Ministério Público, por haver indícios de branqueamento de dinheiro. Trata-se de uma sociedade offshore detida pelo BPN-SGPS (holding da SLN que controlava o BPN e que não foi nacionalizada), que pagava os contratos publicitários. O beneficiário final era o banco. O objectivo deste esquema era retirar custos ao banco, pois cabia a uma entidade externa ficar com a despesa, embora fosse o BPN que de facto pagava. Um processo utilizado em muitos outros casos dentro do universo BPN. O envolvimento da Fundação Luís Figo com o universo do grupo BPN foi grande e passou, para lá dos contratos publicitários, pela presença de Oliveira e Costa nos corpos dirigentes desta instituição com fins de beneficência. A presidência do conselho fiscal da Fundação foi um dos cargos que ocupou. Por seu lado, o próprio Luís Figo chegou a ser accionista da SLN.
10 - Compra de empresas a Abdul Rahman El-Assir traficante de armas, amigo libanês de Dias Loureiro, e que veio a ser um negócio ruinoso para a SLN. Segundo afirmou Oliveira e Costa, Dias Loureiro e El Assir pressionaram a SLN a investir milhões de euros em duas empresas de El Assir, a NewTech-NewTechnologies e a Biometrics, para que este os ajudasse num outro negócio em Marrocos. Muito dinheiro foi investido no negócio, a maior parte dele canalizado através de offshores. No entanto, ainda hoje ninguém sabe a quem e por quanto é que as empresas foram afinal vendidas. Certo é que os valores não batem certo e há alguns milhões em falta... Afirmou que o negócio parecia seguro pois a Biometrics dispunha de um volume de negócios anual na ordem dos oito milhões de euros. O plano de negócios para o primeiro ano após o investimento da SLN previa um aumento daquele volume para 100 milhões de euros. Tamanha disparidade não surpreendeu Dias Loureiro? No mesmo dia, a empresa Biometrics foi vendida três vezes. Da primeira vez, foi vendida por 30 milhões de dólares. Depois, a própria empresa foi integrada num fundo, que detinha mais património. Na última operação, realizada no mesmo dia, o fundo e a empresa foram vendidos por apenas 20 milhões de dólares. Para onde foram os 10 milhões de dólares em falta? Com esta aquisição, o BPN Cayman não só assumiu os prejuízos do negócio, como ainda pagou mais 7,2 milhões de euros pela Biometrics do que pagara a SLN pouco mais de um ano antes. Dias Loureiro NEGOU ter tido algum papel importante nos negócios de Porto Rico. Negou mesmo ter assinado documentos neste negócio, mas quando apareceram provas do contrário, desculpou-e com "Lapsos de Memória". Quando questionado pelo deputado João Semedo se conhecia sequer o "Excellence Assets Fund", fundo através do qual foram compradas estas empresas, declarou nunca ter ouvido falar nesse nome. Oliveira Costa desmentiu isto categoricamente, reafirmando o papel activo de Dias Loureiro, conjuntamente com El Assir. Existem mesmo documentos entregues à Comissão, que revelam a assinatura e o papel de Dias Loureiro em muitos aspectos do negócio. Se o negócio da compra está envolto em polémica, o da venda ainda não ficou totalmente esclarecido. Refere Dias Loureiro que, como o negócio entretanto arriscava fracassar, Oliveira e Costa se quis desvincular a qualquer preço. Documentos que chegaram à Comissão dizem que a empresa foi vendida por António Coutinho Rebelo, administrador do fundo Excellence Assets Fund, contou que este fundo (que comprou a Biometrics à SLN em 2001 por 35 milhões de dólares) a vendeu a 19 de Março de 2003 por cerca de 35 milhões de euros. No entanto, o deputado João Semedo exibiu documentos que indicam que as contas da SLN registam a venda da Biometrics por apenas "um dólar".!!!!!!??? Os contratos de venda das empresas estão assinados por Dias Loureiro, em representação de muitas entidades da SLN. No entanto, o administrador do Fundo, Coutinho Rebelo, nega alguma vez ter conferido poderes a Dias Loureiro para assinar esses contratos. Coutinho Rebelo ficou até espantado com o facto de Dias Loureiro os ter assinado. A dúvida subsiste: Dias Loureiro assinou por incumbência de alguém ou de mote próprio? Certo é que assinou por empresas em relação às quais não tinha quaisquer poderes de representação. Videos do inquérito, para os mais minuciosos, que gostam de perceber nas mãos de quem anda Portugal.  VER VÍDEOS
11 - A existência de uma lista, divulgada com os beneficiários de avultados créditos sem garantias, no valor de 97 milhões de euros, concedidos pelo BPN, através de sociedades offshores, confirma a tese que a investigação policial e o inquérito parlamentar em curso têm vindo a construir. Um dos nomes da lista é o de José Albano de Oliveira, empresário e parceiro de negócios da SLN. No seu caso, são-lhe atribuídos créditos no valor de 5,6 milhões de euros, através da offshore Abnerka Trading and Services. Outro dos beneficiários é o arquitecto Capinha Lopes, autor do Freeport e de vários projectos da SLN (8,3 milhões de euros), e também accionista, com 5% da Sociedade de Desenvolvimento e Exploração da Marina da Barra, detida em 50% pelo BPN. O amigo libanês de Dias Loureiro, Abdul Rahman El Assir, interveniente na operação de Porto Rico, que resultou num prejuízo de 38 milhões de euros para a SLN, também está na lista. Quando foi ouvido na comissão parlamentar de inquérito, Francisco Sanches, ex-administrador do BPN, confirmou que as três offshores associadas a El Assir, através das quais este contraiu um crédito sem garantias de 8,2 milhões de euros, pertenciam ao próprio BPN. O que permite deduzir que o libanês funcionava, mais do que como um "testa-de-ferro", como um parceiro de negócios do grupo SLN
12 - Dezenas e dezenas de empresas foram criadas dentro e fora da  SLN, durante os anos em que Oliveira e Costa se manteve à frente do grupo, tinha uma única finalidade: fazer circular o dinheiro. Decorridos quase cinco meses após a nacionalização do BPN, sabe-se que as nebulosas sociedades offshores, sediadas em distantes paraísos fiscais, não foram o único instrumento usado para aquele fim. Ao seu lado, estavam muitas empresas transparentes, obedecendo a todos os requisitos legais e situadas em território nacional. À sua frente, a dar o nome, podem estar clientes, accionistas, parceiros de negócios ou "testas-de-ferro " da SLN, a quem Oliveira e Costa pagava o "favor" com a entrega de prémios, comissões e, por vezes, avultados créditos bancários, sem que fosse exigido qualquer tipo de garantias. Em certos casos, esses créditos acabavam por ser assumidos por offshores, cujo último beneficiário era a própria SLN. E ali "morriam", tornando-se apenas necessário varrer o prejuízo para debaixo do tapete tarefa que o Banco Insular de Cabo Verde (o banco que a SLN "escondia" do Banco de Portugal) desempenhava muito bem. O resto da história já é mais ou menos conhecida, e terminou com o colapso do BPN, sua posterior nacionalização e descoberta de um prejuízo de 1,8 mil milhões de euros, que, muito provavelmente, os contribuintes vão ser chamados a suportar, pelo menos em parte. Serão, assim, os únicos a queixar-se do caso BPN. Todos os outros administradores, altos quadros, accionistas, parceiros de negócios, clientes, "testas-de-ferro", parecem ter lucrado bastante, durante os anos em que Oliveira e Costa mandou no grupo. O dinheiro circulou, foi aplicado em bons e em maus negócios, multiplicou-se e muitas operações "suspeitas" acabaram por gerar lucros, que a SLN dividiu, generosamente, com os seus homens de confiança entre prémios, ordenados, comissões e empréstimos bancários. E algumas das sociedades criadas para fazer circular esse dinheiro nem sequer activos tinham no seu balanço.
13 - A S.I. Fábrica do Gelo foi uma das empresas investigadas pelo economista Periquito Costa, contratado por Cadilhe para dar corpo à Operação César, destinada a detectar as offshores escondidas da SLN. No Parlamento, Periquito Costa disse ter encontrado "entre 94 e 96 offshores" do grupo, e que em apenas "seis ou oito" o beneficiário último não era a própria SLN. A maioria servia para esconder prejuízos, resultantes de operações cambiais, créditos incobráveis ou de cobrança duvidosa. Noutros casos, eram usadas para canalizar investimentos da SLN para destinos incertos. Novas sociedades criadas em cascata faziam circular o dinheiro, dentro e fora da SLN. Nos negócios imobiliários, o rasto revela novas figuras, como José Albano Oliveira.
14 - O grupo SLN movimentou 9,7 mil milhões de euros, entre 2003 e 2008, através do balcão virtual do Banco Insular, revelou hoje uma testemunha durante o julgamento do caso BPN, entidade que controlava o banco cabo-verdiano. Segundo o inspector tributário Paulo Jorge Silva, que participou na investigação, este montante passou pelas contas detidas pela Solrac Finance (offshore do grupo SLN) no Banco Insular (BI) de Cabo Verde e exclui a duplicação de movimentos cujo total ascendeu a 20 mil milhões de euros registados nas contas do balcão virtual (também denominado balcão 2 do BI). Na altura estava José Oliveira Costa na liderança, foram apreendidos documentos que permitem concluir que existiam «5.200 registos de forma viciada para (a conta da Solrac) chegar ao final de cada mês sempre no valor zero». Todo o financiamento que passou pelo balcão virtual do Banco Insular de Cabo Verde era oriundo de contas de clientes do BPN Cayman, referiu a testemunha, alegando que estas eram mexidas sem o conhecimento dos seus titulares, num total de 4.157 contas José Oliveira Costa está ser julgado por burla qualificada, branqueamento de capitais, fraude fiscal qualificada e aquisição ilícita de acções. Outras 14 pessoas ligadas ao universo SLN, como Luís Caprichoso, Ricardo Oliveira e José Vaz Mascarenhas, e a empresa Labicer estão também acusadas por crimes económicos graves. Desde que o BPN foi nacionalizado, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) já injectou cerca de 5 mil milhões de euros no banco fundado por Oliveira Costa.
15 - Gerente de balcão BPN Lisboa, desviou 1,5 milhões e fugiu,  no fim de 2008, de nome, José Pereira; seguiu-se Artur Alho, em Gondomar, que desviou 2,5 milhões e que está em Espanha; e agora José Ribeiro, em Fafe. É o terceiro caso, em poucos meses, no BPN.
16 - Oliveira e Costa construiu ‘bunker’ na Vidigueira. Os investigadores do caso BPN depararam-se com uma insólita descoberta: um bunker na herdade da Vidigueira,- O Paço dos Infantes. Com parte já edificada e outra em projecto. Câmaras de vídeo gravavam todos os movimentos. E os empregados teriam chips nas fardas como nos filmes de James Bond. Pensava-se ser um dos maiores investimentos turísticos do grupo BPN no Baixo Alentejo. Com cerca de 100 metros quadrados e preparado para integrar um ultramoderno sistema de segurança e vigilância, este bunker, que o SOL descobriu, não chegou a ser terminado. As autoridades só se aperceberam da sua existência quando, durante as recentes buscas realizadas na herdade, descobriram a entrada para este ‘abrigo’.  (Por Felícia Cabrita)
17 - "O homem mais rico de Portugal e a Isabel Dos Santos, também foram ao “pote” do BPN, buscar 1,6 mil milhões de euros, que ainda não pagaram. O BE diz que tomou conhecimento do crédito recentemente através da comunicação social, pelo jornal i, onde foi revelado que «o crédito, na ordem dos 1,6 mil milhões de euros, teria sido concedido pelo BPN à Amorim Energia em 2006», mantendo-se assim a dívida de 1,6 mil milhões de euros» durante o período em que o banco esteve na posse do Estado. A Amorim Energia é uma 'holding' detida «não apenas por Américo Amorim» e que tem como accionistas a Santoro Holding Financial, de Isabel dos Santos, e a Sonagol. «Como é conhecido, a Santoro Holding Financial, além de accionista da Amorim Energia, é também accionista maioritária do Banco Internacional de Crédito (BIC), a quem o Estado irá vender o BPN», notam os bloquistas. «Desta forma, a venda do BPN, com os seus créditos, ao BIC, poderá implicar que o crédito de 1,6 mil milhões de euros seja pago pela Amorim Energia a um banco que tem como principal accionista a própria devedora», escreve o deputado João Semedo, para quem o caso, a confirmar-se, «acrescenta mais um episódio inaceitável de falta de transparência associado a todo o processo de reprivatização do BPN».
18 -  A Plêiade, empresa comprada pela SLN e ligada aos casos BPN, é alvo de um pedido de insolvência. Inserida no grupo que sucedeu à gestão de Oliveira e Costa, é acusada de gestão ruinosa e tem um passivo de 48 milhões de euros. O processo que visa a declaração de falência daquela firma que deu a ganhar oito milhões de euros a Dias Loureiro (ex-administrador do BPN, investigado por este negócio) foi apresentado no Tribunal de Comércio de Lisboa por um casal, accionista da cimenteira "CNE", que alega ter sido prejudicado pelos novos donos da Plêiade e reclama 25 milhões de euros. Hoje, a CNE está insolvente.
19 -  Duarte Lima obteve do BPN, em 2008, pouco antes da nacionalização do banco, um empréstimo de 6,6 milhões de euros, «contraído sem a apresentação de qualquer garantia». O affaire Duarte Lima é um caso de polícia. Mas o affaire BPN, sendo também um caso de polícia, é sobretudo um assunto de Estado. BPN serviu para financiar muitos políticos e amigos em apuros, aos poucos vão-se descobrindo personagens beneficiados com "empréstimos" chorudos, provavelmente empréstimos sem retorno... Emprestar 6 milhões sem garantias, é um procedimento pouco usual dos bancos... normais.
(Estando Duarte Lima  presentemente a ser, investigado os valores vão crescendo diariamente, neste momento já se fala em mais de 9 milhões de empréstimos, até mais ver...)
20 - EDP paga ‘luvas’ a amigo de Dias Loureiro, El Assir, empresário libanês. Oliveira e Costa, durante a investigação ao BPN, disse ao DCIAP que a participação na Redal foi colocada na SLN Madeira de forma a, ficticiamente, gerar ganhos fiscais por ocasião da sua venda. A EDP terá pago uma comissão (luvas) de quase 2,9 milhões de euros a El Assir,  amigo de Dias Loureiro, que a SLN contratou para facilitar os contactos na venda da Redal, firma marroquina de água e electricidade, à francesa Vivendi, em 2002. O depoimento de Oliveira e Costa ao DCIAP, foi categórico: 'Nesse negócio, o Grupo BPN/SLN simulou ter actuado como intermediário por conta dos restantes detentores do capital social da Redal, no caso a EDP e uma empresa espanhola do grupo Dragados, cobrando valores que representaram, afinal, a realização de pagamentos de comissões (LUVAS) a um indivíduo designado El Assir'. Ao todo, através da EDP e da Urbaser, o amigo de Dias Loureiro recebeu em comissões (luvas) 5,76 milhões de euros. A Redal foi adquirida pela SLN por via da compra da Pleiade a José Roquette, em 2000. O negócio da Redal originou um inquérito autónomo do DCIAP. Dias Loureiro reafirmou ao CM, que o pagamento das comissões (LUVAS) a El Assir, foi da responsabilidade de OLIVEIRA E COSTA, ex-presidente do Grupo BPN/SLN. Oliveira e Costa é acusado da prática de sete crimes económicos.
21 - BPN deu 80 milhões sem garantias. As autoridades detectaram empréstimos do BPN - num total de 80 milhões - com falsas garantias bancárias. Luís Duque surge no processo porque, enquanto vereador e vice-presidente da autarquia de Sintra, atestou o valor de alguns dos bens dados como garantia dos empréstimos.  Luís Duque, advogado, actual vereador da Câmara de Sintra e ex-presidente da SAD do Sporting, foi ontem constituído arguido pela PJ e notificado para ser ouvido no Tribunal Central de Instrução Criminal, por suspeita de burla qualificada, corrupção e fraude na obtenção de empréstimo. Também outros três advogados, um empresário dos ramos imobiliário e automóvel e mais cinco pessoas foram alvo da visita das autoridades. O empresário é Carlos Marques, sócio do genro de Oliveira e Costa, e um dos advogados é Filipe Baião Nascimento, representante do ex-patrão do BPN. A PJ acredita que Oliveira e Costa tinha conhecimento do esquema, podendo ter beneficiado com estes empréstimos, feitos com o objectivo de dissipar o património do banco. O lesado foi o BPN que nunca conseguiu cobrar, quando os beneficiários deixaram de pagar. As buscas ocorreram em vários pontos do País e foram apreendidos muitos milhares de euros em carros de luxo e até um iate ancorado em Vilamoura. Na zona de Sintra foram apreendidos um Porsche e também viaturas de outras marcas, como Mercedes e um Lamborghini. A recuperação de bens é central nesta investigação que está centrada no desfalque de 80 milhões ao BPN. Alguns dos bens em causa são terrenos sobrevalorizados, na zona de Lisboa mas também noutros pontos do País.
22 - Crédito do BPN a accionistas da SLN chega aos 300 milhões. Arlindo de Carvalho militante do PSD aparece ligado ao BPN fundado por Oliveira Costa por ter recebido,  perto de 20 milhões de euros em operações de crédito. Confrontado com o facto de ter recebido um empréstimo pessoal neste valor, o ex-mandatário de Pedro Santana Lopes no último congresso do PSD negou. Mas admitiu que as empresas de que é accionista "possam ter financiamentos contraídos junto do BPN, como, aliás, fazem junto de outros bancos com os quais trabalham". Arlindo de Carvalho diz desconhecer o montante do crédito junto do BPN, mas garante que tudo correu dentro da legalidade. A auditoria preliminar extraordinária da Deloitte concluiu, entre outras matérias, que as perdas não reconhecidas associadas ao banco (imparidades) atingiam, a 14 de Outubro deste ano (quando o relatório foi entregue), 330 milhões de euros, dos quais 120 milhões dizem respeito a empresas do universo da holding.
23 - Estado paga 3,5 milhões de euros a padres enganados pelo BPN. Uma instituição religiosa de Fátima entregou, ao longo de um ano, 3,5 milhões de euros a um gestor do BPN. Esse valor foi desviado e perdido na Bolsa e é agora o Estado que vai devolver o dinheiro na totalidade, avança o Jornal de Notícias. O colectivo de juízes do Supremo Tribunal de Justiça condenaram o Estado a pagar. Os padres foram entregando cheques e dinheiro vivo ao gestor Leonel Gordo, de 46 anos, para investimentos de alto risco.
24 -  BRITISH HOSPITAL / SLN / BPN /  MENDES RIBEIRO. José Mendes Ribeiro foi presidente do Grupo Português de Saúde entre 2004 e 2007. Adquiriu, para o Grupo Português de Saúde, o British Hospital, financiado pelo BPN. Mendes Ribeiro ao ser presidente do GPS, pertencia à SLN que era dona do BPN!  Nesta promiscuidade facilita-se o financiamento de um negócio que se revelou ruinoso. O British Hospital entra em ruína, recuou de uma média anual de 12 mil consultas para cerca de 1800. Mendes Ribeiro foi acusado de ter feito aquisições ruinosas para o grupo, entre elas o IMI (Imagens Médicas Integradas), e o British Hospital. E a preços muito superiores aos de mercado: "Duas ou três vezes o seu valor real"!! Abandona o grupo GPS deixando um passivo de 100 milhões de euros. O British Hospital de Campo de Ourique, em Lisboa, fechou portas com dívidas a médicos e fornecedores. Donos do Hospital - Grupo Português de Saúde, pertencente à SLN - (50%). Mendes Ribeiro é nomeado por Miguel Macedo, no actual governo, apesar do quadro recambolesco, intrincado e enredado de negócios estranhos e ruinosos em que esteve envolvido, nomeiam este ex-gestor do BPN, Mendes Ribeiro, para estudar cortes no SNS. Provavelmente aproveitará para tapar os buracos que causou ao "privado" e favorecer o privado em detrimento do público. Isto permite antever um final muito infeliz, onde os interesses de uma nação se irão vergar novamente a interesses económicos privados.
25 - Provedor de Justiça diz-se "ignorado" por causa do BPN. O Provedor de Justiça está cansado de ser ignorado pelos Governos, que não ouvem os avisos que tem feito sobre o BPN. Alfredo José de Sousa enviou hoje uma carta à Presidente da Assembleia da República na qual pede ajuda ao Parlamento para que ouçam o que ele diz. Foram apelos sucessivos aos últimos titulares da pasta das Finanças, jornalista Paula Véran. ( RTP ). Já Vitor Constancio deixou bem claro o quanto as autoridades máxinas se preocupam com os crimes contra o estado.
26 - “Não há fim para este buraco do BPN”. O BIC vai comprar o BPN por 40 milhões de euros, um valor que será pago se ao fim de cinco anos der um lucro de 60 milhões !!! Ao que parece o Orçamento do Estado tem mais dinheiro para oferecer ao BPN, que venderá por 40 milhões com a condição de colocar lá 600 milhões de euros para aumentar o capital do Banco, que será realizado até 15 de Fevereiro. Este valor é superior aos 500 milhões de euros admitidos pelo Governo no final do ano passado. O Governo está sempre a mudar a versão sobre o dinheiro do BPN. "A cada nova notícia, maior é o buraco, maiores são as despesas para os contribuintes, porque em outubro passado eram 350 milhões de euros, em dezembro Passos Coelho dizia que eram 500 milhões de euros e agora, apenas um mês depois, passou a 600 milhões de euros. Não há, portanto, rigor nesta gestão de todo o dossier do BPN e nós percebemos que esta venda que foi efetuada é uma venda de favor”.
27 - O caso BPN vai assombrar a nossa vida e economia até quando? Esta deve ser uma questão que atormenta muitos portugueses. Mais 47 milhões de euros em indemnizações aos trabalhadores do BPN, efectivos. O cordão umbilical, do BPN, vai permanecer ligado ao dinheiro dos portugueses. Parece que a CGD ainda vai financiar o BPN ...até quando e até quanto? É a questão que se coloca. A Caixa vai continuar a financiar o BPN? Tudo indica que sim, mas é uma das questões menos claras. A secretária de Estado do Tesouro referiu que o BPN ia manter uma emissão de papel comercial financiada pela Caixa de 400 milhões de euros, mas que teria de reembolsar em activos outros mil milhões de euros de financiamento. A CGD deve ainda continuar a garantir linhas de liquidez ao BPN, mas em condições de mercado, assegurou Maria Luísa Albuquerque." 
28 -  Pedro Passos Coelho presidiu 2 empresas de Horácio Luís de Carvalho possui 20% da Tejo Ambeinte, que detém duas empresas de resíduos. Está a ser julgado por ter depositado 59 mil euros numa conta offshore de António Morais, o célebre professor de José Sócrates na Universidade Independente. Segundo a acusação, António Morais terá favorecido Horácio de Carvalho através da sua consultora que prestava assessoria no concurso para o aterro da Cova da Beira na segunda metade dos anos 90. Os construtores de Santa Maria da Feira, António e Manuel Cavaco, são parceiros da Fomentinvest na SDEL (uma empresa de mini-hídricas) e foram sócios na Ecoambinete (segunda maior empresa do Pais na recolha de lixo) até Dezembro de 2009. Antigos accionistas da SLN grupo que controlava o BPN – foram acusados pelo Ministério Público por participarem num esquema para iludir o Banco de Portugal através da compra fictícia da SLN Imobiliária, através de uma empresa offshore, com dinheiro do próprio BPN. Passos Coelho não quis prestar declarações. Mas Ângelo Correia, presidente do grupo Fomentinvest, diz nada ter a ver com as empresas.
29 - Empresa que comprou acções a Cavaco Silva era um instrumento de poder do antigo presidente do BPN. A empresa SLN/Valor, que comprou as 105 378 acções de Cavaco Silva, era utilizada pelo antigo presidente do BPN José Oliveira Costa para controlar todo o grupo da Sociedade Lusa de Negócios, assim como para manter próximo de si um núcleo forte de accionistas que lhe permitisse manter o poder. Era através daquela empresa que Oliveira Costa controlava todo o grupo SLN.
30 - Tribunal protege Oliveira e Costa . Juíza indefere arresto de bens ao banqueiro e à sua mulher. O antigo presidente do banco que gerou prejuízos superiores a dois mil milhões de euros aos contribuintes. Em causa está o arresto de bens de montante superior a 214 mil euros, relativos a PPR e investimentos financeiros em sociedades detidas pelo BPN, que foram descobertos desde o final de 2010.
31 - O e-mail de Abdool Vakil para Oliveira Costa. O Saque BPN/SLN  foi orquestrado com a garantia de que no final, depois de todos "servidos e bem aviados", se ia "oferecer o BURACO aos portugueses"... e para isso ser consensual, convinha que os partidos tivessem a sua dose de culpa e de benefícios, para consentirem e colaborarem. "Abdool Vakil, então presidente do Banco Efisa, sugeriu a Oliveira Costa, a pedido deste e segundo critério definidos pelo ex-presidente da SLN, um conjunto de nomes do universo do PS para integrarem os órgãos sociais do Efisa, a instituição financeira que funciona como braço de investimento do BPN.
"Meu caro, (O e-mail de Abdool Vakil para Oliveira Costa.)
No tocante a este assunto, para além do nome que sugeriu que foi o do Doutor Oliveira Martins que julgo não ser o mais provável porque não é para Presidente, lembrei-me de alguns outros nomes que lhe submeto para uma apreciação prévia e para estabelecermos uma hierarquização para que eu possa então seguir a lista por essa ordem.
Vera Jardim - advogado com nome na Praça, Deputado pelo PS e ex-Ministro da Justiça; muito próximo do actual PR (e também amigo do Neto Valente dado que este foi há anos colega do escritório Jardim, Sampaio e Caldas);
João Cravinho - nome bem conhecido, Deputado do PS e ex-Super Ministro do Equip Social, etc, conheço-o bem, já fez o favor de dar alguma colaboração ao Banco Efisa a título gracioso porque quando saiu do governo achou que não devia logo trabalhar para o banco que era prestador de serviços ao Ministério que comandou. Entretanto, como isso já foi há algum tempo, pode ser que já possa aceitar. (Disse-me na altura que tinha aceite um lugar no Conselho Consultivo do Banco do Rendeiro).
Prof. Augusto Mateus - PS muito bem inserido na máquina do Partido ; ex-Ministro da Economia; meu antigo aluno e com quem tenho excelente relação.
Dr. Fernando Castro -  que foi Chefe de Gabinete e ao que se diz o Mentor do então Ministro Pina Moura, muito bem inserido dentro dos meios políticos onde se move com muita discrição mas com grande eficácia. Dou-me bem com ele; veio há dias almoçar comigo ao banco; está de momento ligado à General des Eaux em Portugal.
Alberto Costa - Deputado pelo PS, advogado e muito ligado ao António Vitorino com quem também me dou bem. Foi Ministro da Administração Interna e é também uma pessoa discreta.
Também o Mário Cristina de Sousa poderia ser um bom nome mas está neste momento ligado à CGD e daí que, mesmo sendo um bom amigo, não possa. Mas fica aqui como uma mera sugestão mas que não me parece viável."
A característica corruptiva fica bem evidenciada na forma como se escolhem as pessoas para os cargos... Neste caso a ideia era envolver, no saque BPN, pessoas do PS que influenciassem.
Características de peso;
- ter ocupado um cargo politico
- proximidade com políticos no activo
- provas dadas de gostar de fazer "favores"
- "bem inseridos na maquina do partido"
- "bem inseridos meio politico e discretos"
- boas "relações pessoais"
Em momento nenhum os intervenientes usam as palavras comuns, quando se trata de escolher profissionais para cargos... apodrecetuga.
32 - O Banco Caixa Geral, a instituição financeira do Grupo Caixa Geral de Depósitos em Espanha, no último relatório e contas, referente a 2011, o passivo que estava fora do balanço por se considerar "irrecuperável" era da ordem dos 4,6 mil milhões de euros (tudo crédito concedido a clientes do banco), mais do dobro das perdas registadas no BPN. Trata-se de um motivo de preocupação para o presidente da CGD, Faria de Oliveira, que conhece bem as dificuldades do negócio bancário do lado de lá da fronteira. CM  ( actualizado 18/4/12)
33 - Ex-diretor do BPN rouba criança. Braço-direito de Óscar Silva morreu e tinha deixado cheque de 45 mil euros para a filha, de nove anos. Economista recusou entregar verba, que passou por "offshore" O economista que liderou o BPN-Créditus foi condenado a pagar 58 mil euros à filha do seu antigo braço-direito. Em tribunal foi dado como provado que desviou dinheiro destinado à criança, então com nove anos. Responsável por um desfalque de cinco milhões de euros na concessão irregular de crédito naquela instituição financeira, Óscar Silva soma a esta condenação das Varas Cíveis do Porto uma outra, relativa a 231 mil euros de honorários não pagos aos seus antigos advogados da sociedade "Nuno Cerejeira Namora, Pedro Marinho Falcão & Associados". JN  ( actualizado 7/5/12)
34 - Victor Constâncio e Teixeira dos Santos enganaram os portugueses. "O ex-ministro das Finanças Teixeira dos Santos e o ex-Governador do BdP Vítor Constâncio «enganaram» os portugueses quando justificaram a nacionalização do BPN com o risco sistémico, considerou o ex-presidente do banco, Miguel Cadilhe.   Para Miguel Cadilhe, estes dois responsáveis não podiam ter invocado o argumento de que o BPN poderia provocar o colapso do sistema financeiro português quando o banco tinha uma quota de mercado de apenas dois por cento.  «Quando coisas tão graves não têm consequências, há qualquer coisa que não está bem na República em Portugal», concluiu". ( actualizado 15/5/12)
35 -  Miguel Relvas, Antes da nacionalização, o então deputado intermediou para o Banco Efisa, do grupo BPN, um negócio da ordem de 500 milhões de dólares, que envolveu o município do Rio de Janeiro. Abdool Vakil, ex-presidente do Efisa, confirmou ao PÚBLICO que Relvas, na altura membro da bancada parlamentar do PSD, o ajudou "a abrir portas no Brasil", mas o actual ministro explica que a sua colaboração ocorreu sempre "no quadro" da Kapakonsult, onde era administrador, e que teve um único cliente: o banco de negócios do BPN - Efisa. ( actualizado 06/06/12)
36 - PARVALOREM empresa criada para o estado assumir os buracos do BPN. Como é do conhecimento de todos, uma das causas dos maiores buracos do BPN, foram os empréstimos (ofertas) de milhões de euros a amigos, primos, políticos e assassinos. Mesmo quando a lei obriga a que apenas se concedam empréstimos com garantias, no caso do BPN, não era preciso garantias, pois a ideia era mesmo essa... ninguém tinha que devolver nada... o povo, depois iria assumir os buracos. Quem precisasse de muitos milhões, era só pedir ao BPN. Só o Duarte Lima pediu cerca de 50 milhões. O BIC comprou o BPN, mas rejeitou as dividas dele. E assim o povo vai assumindo ou pagando as dividas que vão aparecendo... sabe-se lá quais e até quando.  "O Estado assumiu a dívida bancária do grupo de Aprígio Santos, presidente da Naval 1º de Maio, ao BPN. Com a venda do BPN ao Banco BIC, o crédito de cerca de 130 milhões de euros do grupo de Aprígio Santos foi transferido para a Parvalorem, sociedade pública, criada para absorver/ pagar com o dinheiro público os buracos do BPN. (actualizado 08/06/12)
37 - O  BPN, passou a ser responsável por créditos de 203,69 milhões de euros do Banco Insular. Deste valor, 40 milhões são dívidas de Oliveira e Costa e outros ex-dirigentes do banco, de acordo com um contrato. Segundo a Lusa, o Banco Insular (BI) passou para o BPN os créditos atribuídos pela instituição de Cabo Verde, uma das culpadas pela queda do banco português.  (actualizado 08/06/12)
38 - Inquérito ao BPN- Vítor Constâncio e Teixeira dos Santos foram alvo de duras críticas na comissão de . Meira Fernandes, administrador do Banco Português de Negócios na altura da nacionalização, acusou o ex-governador do Banco de Portugal de negligência e de erros de comportamento que agravaram a situação do banco. Meira Fernandes acusou ainda o ex-ministro das Finanças de dar explicações sem fundamento para justificar a decisão de nacionalizar o banco. (actualizado 22/06/12)
39 - Libanês que apoiou Dias Loureiro em negócios do BPN foi detido na Suíça. Mais uma vez a justiça estrangeira detém criminosos com pegadas criminosas em Portugal, mas que só no estrangeiro são apanhados, os cúmplices portugueses permanecem intocáveis e inocentes, contra toda a lógica!!!O que é crime no estrangeiro não é crime em Portugal, a justiça em Portugal não existe? Foi o caso dos submarinos, o caso dos Pandur,  ou mesmo o caso BPN, que na Islândia resultou em condenações de políticos e bancários. Porém a nossa justiça permanece inerte mas de pé. Sempre dura com os fracos e mole com os grandes criminosos.  El-Assir referenciado internacionalmente como "traficante de armas" foi beneficiado com empréstimos de mais de 50 milhões de euros concedidos pelo BPN.  "Dias Loureiro fez pressões para que os negócios de Porto Rico se concretizassem", caso contrário "El-Assir deixaria de fazer lobying em Marrocos para que a Redal fosse vendida à Vivendi [francesa]". Apesar de existir um relatório desaconselhando o negócio, este relatório foi desprezado. Mais cómico foi que Dias Loureiro ao ser questionado ( neste video a partir do minuto 4 ) sobre a sua ingenuidade que lhe permitiu chegar ao ponto de financiar um traficante de armas e negociar com ele, Dias Loureiro responde que nunca tinha percebido que El-Assir era uma pessoa envolvida no tráfico de armas e sem garantias ou indigno de confiança, antes pelo contrário, sentiu-se seguro porque El-Assir convivia com o rei de Espanha e com o presidente Bill Clinton. "Com efeito, a Biometrics, sem qualquer actividade, viria a "mudar de mãos" três vezes no mesmo dia. A SLN pagou pela empresa 30 milhões de euros, depois vendeu-a por um dólar a um fundo do BPN, o Excellence Assets Fund, transacção validada por escrito por Dias Loureiro . De seguida, a Biometrics e o fundo foram adquiridos por uma imobiliária espanhola de El-Assir, a La Granjilla (que é devedora do BPN). O esquema não passou despercebido ao Ministério Público, que tem feito diligências ao mais alto nível para apurar o rasto dos 30 milhões que "desapareceram" do circuito.  Em declarações ao PÚBLICO o deputado do BE, João Semedo, um dos intervenientes na primeira comissão de inquérito ao BPN, não tem dúvidas: "A minha convicção é que 26 milhões de euros de empréstimos concedidos pelo BPN ao sr. El-Assir foram luvas pagas pelo BPN/Plêiade pelos préstimos prestados em Marrocos na venda da Redal à Vivendi." Para João Semedo, El-Assir "moveu influências, desbloqueou a venda e arranjou comprador. Em contrapartida recebeu, pelo menos, estes 28 milhões disfarçados de empréstimo." Terminou: "Recordo que foi o dr. Dias Loureiro que introduziu El-Assir no grupo SLN/BPN." As duas sociedades do libanês beneficiaram ainda de múltiplos empréstimos concedidos pelo grupo. Um deles, de 14 milhões de euros, sem garantias reais, foi contraído no BPN Cayman e a verba, no final, foi desembocar no Excellence Assets Fund. Já o BPN financiou três imobiliárias espanholas, La Granjilla e Miraflores e Gran Soto, com 38 milhões de euros (verba que ascendeu, com juros, a 48 milhões). Nenhum dos créditos foi pago. (actualizado 1/8/2012)
40- Antes da nacionalização, o então deputado Miguel Relvas intermediou para o Banco Efisa, do grupo BPN, um negócio da ordem de 500 milhões de dólares, que envolveu o município do Rio de Janeiro. Abdool Vakil, ex-presidente do Efisa, confirmou ao PÚBLICO que Relvas, na altura membro da bancada parlamentar do PSD, o ajudou "a abrir portas no Brasil", mas o actual ministro explica que a sua colaboração ocorreu sempre "no quadro" da Kapakonsult, onde era administrador, e que teve um único cliente: o banco de negócios do BPN - Efisa. Relvas é também maçon.


















Em suma - Os crimes proliferam num sistema permissivo e impune, de compadrio claro.  Num país onde o responsável máximo pelo destino dos impostos de milhões de portugueses, exibiu uma postura molenga e apática, perante crimes de grande magnitude, permitindo arruinar uma nação. Repare-se na citação das palavras de Victor Constâncio, revelando conformismo e tolerância, nada compatíveis com o cargo que desempenhava. 

O nosso dinheiro merecia alguém com mais garra.

 "Num sistema de organização capitalista de mercado de livre iniciativa, há fraudes, há corrupção, há tudo isso, em todos os países e em todos os sectores, e não há regulação e supervisores que descubram todas essas fraudes quando elas estão a ser cometidas."
"Não há garantias absolutas em nenhum país e em nenhum sistema, nessa matéria, a menos que queiram, de facto, que se constitua uma espécie de polícia de supervisão com milhares de pessoas que se instalem ao pé de cada administração e de cada direcção de serviço dos bancos, e de outras actividades, já agora, e que controlem tudo. Não é esse o sistema em que vivemos, de facto, e, portanto, não tenham ilusões de que haverá fraudes e corrupção nestas actividades, em todos os países e também em Portugal."
Com esta postura só devemos acreditar que nem as autoridades máximas estão dispostas a aliar-se ao povo e à justiça. Apenas exigimos que quando há crime, que haja castigo. No caso BPN, todos sabiam e ninguém fez nada, como mostra nos videos. Ou no Banco Insular que todos o avisaram e não fez nada. A Finlândia é um dos países onde os níveis de corrupção são mínimos, graças ao cerco cerrado que se faz aos corruptos. Portugal, graças ao comodismo, e ao povo obtuso, que ainda defende políticos e vota neles, está num nível de corrupção muito superior á Finlândia.  Temos ainda o exemplo da Islândia, onde os banqueiros também tinham o seu BPN. Mas a justiça não fez o mesmo que Portugal.
"Ex-primeiro-ministro islandês julgado por negligência governativa
Em Setembro de 2010, o parlamento islandês decidiu processar por "negligência" o antigo chefe do Governo, que liderava o país na altura em que o sistema financeiro islandês entrou em colapso, em Outubro de 2008. Para julgar Haarde, foi criado um tribunal especial, o Tribunal Superior de Justiça (Landsdomur). O tribunal deverá confirmar a acusação, esta terça-feira, mas segundo a comunicação social islandesa o início do julgamento só deverá ocorrer depois do verão, uma vez que a instância judicial irá atribuir um prazo ao antigo governante para apresentar objecções." (JN)


'Se quiser pôr à prova o carácter
de um homem, dê-lhe poder'

(Abrahan Lincoln)








ENTERRARAM O ESCUDO e FARÃO O FUNERAL AO EURO BREVEMENTE



Ah Capitão CAPITÃOooooooooo como morrerias outra vez ;'(

Sem comentários:

Enviar um comentário