sábado, 31 de março de 2012

Portugal no prenúncio GRANDE da ditadura económico/fascista

Há dois aspectos em que a situação política no País nos dias que correm se assemelha perigosamente ao que se passava em Portugal no prenúncio da ditadura.

Um deles é a sofreguidão do patronato que já tem tudo mas quer sempre mais alguma coisa. Outra é a pesporrência da Polícia. Ainda ontem os jornais davam conta da insatisfação dos patrões com as novas leis laborais. Ao mesmo tempo, um relatório da PSP expunha a estratégia para combater as "notícias menos positivas".

Nos anos 20 do século passado, a Confederação Patronal e a União dos extremaram posições em relação às lutas e direitos das classes trabalhadoras, esticando a corda até que a tropa veio por aí abaixo pôr ordem no caos reinante. O que mais incomodava as associações patronais eram as greves, chegando alguns patrões a propor o recurso a actos de terrorismo para acabar de vez com o direito à greve.

Hoje, com as novas leis laborais, o patronato vai despedir a seu bel-prazer e barato, vai pagar as horas extraordinárias por metade. Mas quer mais. Quer acabar com aquilo que um aparelhista da JSD designa por "ditadura dos direitos adquiridos". Os trabalhadores resistem, fazem greve, desfilam em manifestações e cai-lhes a Policia em cima. Ao mesmo tempo, e depois de um conhecido gestor preconizar uma "informação filtrada", "a bem da Nação", a Policia vem dizer que considera sua atribuição estabelecer uma estratégia para combater "as notícias menos positivas". Mas as atribuições da Polícia estão na Constituição da República e não contemplam nada que se pareça com o combate a notícias menos positivas, vulgo Censura.

Parece que há quem queira repetir a história. Talvez para acabar com a ditadura... da democracia.

 
 
O QUE FOI DITO EM BRUXELAS
 
video
 
 

2 comentários:

  1. Infelizmente isto é verdade e tanto lhes oferecem esta ditadura os governos de esquerda e de direita.
    Do PS ao CDS a situação é sempre a mesma e rapidamente se esquecem que para haver harmonia não se pode dar tudo aos patrões nem do mesmo modo aos empregados .
    Estes governos venderam-se e quem semeia ventos colhe tempestades. A troika nao manda só bater nos pobres. Manda limitar os altos salários e pensões, mordomias, prémios e regalias que a maioria do povo desconhece...

    A política apodreceu e os seus agentes tornaram-se canibais se respeito nem qualquer resquício de vergonha...................

    ResponderEliminar
  2. Bom dia!
    Este é o nosso país,tantas e tantas coisas mudam.É um perigo acordar e ler as novidades.
    Grande abraço
    se cuida

    ResponderEliminar