segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

TODOS JUNTOS contra a N.O.M.

Neste momento de “crise” ( leia-se: ATAQUE DO CAPITALISMO SELVAGEM ) e com o ano de 2013 D. Cristo que se avizinha e, QUE COMO SE PODE CONCLUIR JÁ, vai ser um ano ainda de mais sacrifícios, pagos desumanamente por todos nós, SÓ PARA QUE  “senhores” execráveis (DESgovernantes & Elite Económica) possam continuar o seu percurso de destruição dos VALORES e DIGNIDADE de TODOS OS SERES HUMANOS, desejo, mais que nunca, que dentro dos nossos SERES haja:


e assim... quiçá possamos todos juntos reconstruir :

UM PLANETA e ECONOMIA SUSTENTÁVEL DIGNOS

Não aos bilderbergs, iluminattis, maçonaria, opus-dei, cavaleiros de malta, rosas-cruz, vaticano, sionistas (etc…) e ao seu suporte económico, liderado pelo monstro do GOLDMAN SACHS que destrói o Planeta e a Humanidade.

2012/12/31  D. C.

sábado, 29 de dezembro de 2012

2013 será mais do mesmo? Ou pior?


Em diálogo com comentador de blogue surgiu a ideia de 2013 poder trazer violência (caçador) para resolver a crise ou suicídio colectivo por incapacidade de resistir.

Das alternativas indicadas, é realmente mais positivo ser caçador do que recorrer ao suicídio, embora haja muitos que depois de grandes caçadas se suicidam… Mas nunca fui apologista do uso das armas para resolver litígios que podem e devem ser resolvidos por forma menos primitiva, mais civilizada, pelo diálogo e pela negociação, em vez de violência que atinge inocentes e destrói património e recursos que depois fazem falta.

As palavras com que nos embriagam e obscurecem o espírito crítico são uma arma poderosa e tudo devemos fazer para incitar as pessoas a usar o seu próprio raciocínio, o seu espírito crítico, para não se deixarem arrastar por palavras patéticas, por promessas de falso optimismo. Muitas vezes, é preferível errar pela sua própria opinião do que o fazer pela opinião dos outros. Se tem receio de a sua opinião estar errada, a dos outros também pode não estar certa e eles podem estar a defender interesses ocultos. A simpatia e as palavras promissoras são arma dos vigaristas, o que não significa que não possam ser utilizadas também por pessoas bem intencionadas e nossas amigas, mas devemos estar preparados para discernir e escolher. Por isso tem sido aqui referido que é necessário pensar antes de decidir.

Quando os cidadãos se habituarem a olhar esclarecidamente para os seus deveres e direitos de cidadania, compreenderão que devem agir responsavelmente guiados pelo seu raciocínio e não por propagandas e por promessas falaciosas, veiculadas por discursos de água destilada, sem conteúdo credível. Como podemos acreditar em promessas de indivíduos que já muito prometeram e, depois, nada alteraram ou até agiram em sentido oposto ao prometido. Muitas vezes, tais indivíduos comportam-se como aquilo que José Gil, já aqui citado, denominou de «neuróticos obsessivos» que se convencem que as suas ideias são acções. Porém, na realidade, o facto de muito teimarem numa ideia do «custe o que custar», não significa que ela seja posta em prática e, se for decidida, pode ter de vir a recuar, como tantas vezes tem acontecido, porque estava distante da realidade, porque não foi racionalmente preparada, porque não foi precedida pela metodologia «pensar antes de decidir» ou por outra semelhante.

O povo está a ficar mais esclarecido e os próximos dois meses obrigá-lo-ão a ver claramente o buraco em que as más políticas dos últimos tempos o lançaram. E, depois, talvez comece a funcionar a democracia, no seu significado etimológico.

Foram desrespeitados «direitos adquiridos» dos cidadãos da classe média, mas quando se fala dos abusos do poder em benefício das hidras que sugam o país, é argumentado que se trata de direitos adquiridos e não se lhes pode tocar. Estão neste caso as reformas milionárias e acumuladas (ainda não foi decretado limite máximo para tais despesas do Estado), a tolerância para o enriquecimento ilícito (não querem mexer no «ónus da prova»), as muitas dezenas de «observatórios» de utilidade duvidosa ou inúteis, os apoios a fundações que servem para enriquecimento de «tentáculos do polvo», o critério das nomeações dos «administradores» de empresa e de instituições públicas dependentes do Governo ou das autarquias, etc, etc.

Enfim, cada um usará a ferramenta que achar melhor para acabar com as fugas abusivas do dinheiro que nos é sacado. Uma ferramenta pode ser a escrita que deve ser usada com finalidade didáctica, generosa, altruista, construtiva, esclarecedora, incitando ao raciocínio para a livre formação de opinião pessoal.

Imagem de arquivo

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Em 2013, haja alguma esperança

Gostaria de desejar a todos os amigos, a todos os portugueses, que 2013 lhes traga aquilo que mais desejarem, que se sintam felizes. Mas, dada a previsão da notícia referida a seguir e não se prever bonança tenho que acrescentar «quanto possível».

- “2013 vai ser pior do que 2012”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

Talvez o amigo visitante pretenda ver também as seguintes notícias que pode abrir fazendo clic no título respectivo.

- Mensagem de Natal de Pedro Passos Coelho na íntegra

- Cardeal exorta católicos a estarem “atentos” às inquietações das pessoas

- Discurso Natal: Passos Coelho a (tentar) seduzir Marcelo Rebelo de Sousa!

- Oposição critica mensagem de Natal do primeiro-ministro

- PS diz que mensagem de Passos "não cola com a realidade"

- BE diz que sempre que Passos anuncia fim da crise seguem-se mais sacrificios

- Mensagem do primeiro-ministro foi "patética"

Imagem de arquivo

sábado, 22 de dezembro de 2012

Lições persuasivas são úteis

Por vezes não basta o despertador anunciar a hora de acordar, sendo indispensável algo que desperte totalmente os demasiado dorminhocos e os que estão sob o efeito de pesadelos totalmente irreais.

A notícia deputada dos Verdes recorda a Passos promessas de recuperação em 2012 mostra que não é fácil fazer sair da neurótica obsessão que pretende criar um infundado optimismo, usando argumentos de que não pretende mais recordar-se, por não serem aceites e responde de forma menos formal, correcta, cortês e democrática , mas arrogante e autoritária quando é colocado perante afirmações anteriores.

Por outro lado tal arrogância e preocupação de impor os seus desejos irreais levam a ignorar a força dos números dificilmente contraditada que conduz à notícia de que receita fiscal acentua queda em Novembro.

Perante isto e as vozes de que eles precisam de uma boa lição que os faça «cair na real», recordei-me de um caso ocorrido há pouco mais e 30 anos, em Évora. Os polícias andavam a ficar desmotivados porque qualquer infractor que fosse levado à presença do juiz era de imediato por este devolvido á liberdade e os agentes policiais, ficavam a ouvir um discurso de que não havia provas credíveis de flagrante delito e que houve abuso de autoridade, etc. Como isto se repetia diariamente e as infracções de roubo, agressões, etc se tornavam mais frequentes, alguém dentro da esquadra pensou em dar uma lição ao juiz, o caso foi apresentado ao chefe, de forma pormenorizada, ele achou viável e deu conhecimento ao comando distrital que acabou por dar o seu assentimento, embora de forma informal.

Foram a casa do juiz, na sua ausência, e trouxeram um saco cheio de bibelôs de estimação.

Quando o juiz chegou a casa, deu pela falta das suas «preciosidades» e telefonou logo ao comandante distrital que lhe respondeu correctamente: Há por aqui muitos larápios, capazes disso e de muito pior, como o meritíssimo bem sabe, pois todos os dias lhe são presentes alguns que acabam por ser postos em liberdade e ficam mais incentivados a continuar com as suas infracções. Esta de irem a casa do meritíssimo é realmente o cúmulo do seu avontade. Iremos procurar com o máximo empenho descobrir e procurar recuperar os seus objectos.

No dia seguinte o Juiz já foi mais severo para os casos que lhe foram presentes. E assim continuou, até que passado alguns dias (duas ou três semanas), a polícia considerou que o juiz aprendeu a lição e o comandante acompanhado por um agente que carregava o saco, dirigiu-se a casa do meritíssimo, para ele ver se algum dos objectos encontrados numa casota dos arredores lhe pertencia. O juiz ficou encantado ao ver que o primeiro objecto era seu, e por ai fora… eram todos seus, e estavam ali todos os que lhe tinham sido furtados. Perguntou quem foi o ladrão como descobriram, etc? A resposta foi : O meritíssimo compreende que não devemos revelar um informador para não deixarmos de poder contar com a sua prestimosa colaboração.

Isto mostra que uma boa lição, persuasiva é eficaz para trazer à realidade muitas pessoas que vivem de sonhos, distantes da realidade.

Imagem de arquivo

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Eu e os Outros. Nós e a Natureza

Nesta quadra natalícia, e obedecendo à tradicional frase de que «o espírito de Natal deve estar presente todo o ano», convém fazer uma análise do ano findo, rever comportamentos e aperfeiçoar a conduta a fim de o próximo ano ser melhor e iniciarmos um futuro construtivo seguindo os melhores valores de convivência com os outros e com a Natureza.

Não é preciso inventar nada. Desde há séculos que se recita a ideia de que deveis «amar os outros como a vós mesmos» ou de que «não devemos fazer aos outros o que não desejamos que nos façam». Neste conceito, os outros são todos os que estiverem para além da nossa pele, sejam familiares ou amigos, do nosso clube ou de outros, independentemente da cor da pele, da nacionalidade, das convicções, etc.

É nosso dever não hostilizar os outros e respeitar seriamente os seus legítimos direitos. Nos anos mais recentes instalou-se o fanatismo dos direitos, toda a gente fala nos seus variados direitos, mas ao pronunciar a palavra esquecem que deve haver deveres para que os dois pratos da balança – direitos e deveres - estejam em equilíbrio. E o principal dever é respeitar os outros, não os prejudicar no exercício dos seus legítimos direitos.

Este dever de respeitar os direitos dos outros é muitas vezes esquecido e muitas autoridades esmagam, sem a mínima consideração, os que dependem de si e que, por isso, ficam mais desprotegidos. É dever também desempenhar as suas tarefas honestamente com permanente vontade de ser eficiente, excelente. Os que têm o dever de zelar pelo bem-estar da população, devem ser escrupulosos e não viver acima das possibilidades dos contribuintes, isto é, devem fazer escrupulosa utilização do dinheiro público. Para isso, a estrutura deve ter apenas o peso e o volume indispensável à finalidade de governar bem o país, sem burocracias excessivas, sem instituições desnecessárias, sem mordomias desproporcionais às possibilidades dos contribuintes. As tarefas de cada órgão devem ser claramente definidas, com rigorosa atenção ao interesse dos cidadãos. O controlo das actuações deve ser isento e imparcial e a aplicação da Justiça deve ser geral sem criar excepções de imunidades e impunidades injustificáveis.

Mas além do nosso respeito pelos outros, há um outro dever que costuma ser esquecido é aquele que se refere à casa de todos nós, à Natureza. A nossa vida depende do ambiente, não apenas daquele que fica ao alcance da nossa mão, da nossa visão, mas de todo o planeta. Cada gesto nosso tem influência na saúde ambiental: a água que consumimos, o lixo que produzimos, os gases e vapores que enviamos para a atmosfera, o excesso de consumo e, principalmente, o desperdício, empobrece o património colectivo, os recursos que escasseiam e nos farão falta e aos vindouros.

E além da Natureza como nosso habitáculo, devemos respeitar os seus habitantes, animais e vegetais. Quanto aos animais, não posso deixar de sublinhar o egocentrismo e a arrogância que levou os humanos a considerarem-se «racionais» em oposição aos restantes habitantes da terra que qualificou de «irracionais». Tal classificação foi devida a ignorância e presunção dos humanos, pois, os animais não humanos raciocinam de forma mais coerente e pragmática do que muitos humanos e, frequentemente, dão lições de convivência, de afecto entre os familiares, os do mesmo bando e, o que é impressionante, em relação a tipos de outras espécies e raças. Nisto aparecem exemplos que devem envergonhar os humanos racistas, xenófobos, com aversão aos que seguem religião diferente ou são adeptos de outros clubes ou de outros partidos.

O espírito de Natal deve ser aproveitado para reflectir nestes problemas, de forma simples e sem preconceitos e, depois, procurar rever os comportamentos habituais de maneira a contribuir para maior harmonia e paz em relação aos outros e à Natureza em todas as suas facetas. «Amai os outros como a vós mesmos».

Imagem de arquivo

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

21/12/2012 Depois Jesus O CRISTO


No dia 21 de Dezembro de 2012, data que marca o Solstício de Inverno no hemisfério Norte, a Terra irá alinhar-se com o Sol que parecerá nascer do centro da Via Láctea, um acontecimento que apenas ocorre uma vez em cada 26.000 anos.
Esta data coincide com o final do longo calendário Maia, que se iniciou a 11 de Agosto de 3114 Antes de CRISTO e vai terminar a 21 de Dezembro de 2012 Depois de CRISTO. Depois, o calendário volta ao zero, já que o tempo Maia é cíclico e não linear.
Vivemos, portanto, numa época de ouro, em que iremos assistir ao nascimento de um novo mundo, o que nos trará a possibilidade de mudanças positivas.

Sê interveniente neste Novo Mundo que se inicia, contribuindo através do teu alinhamento individual para o alinhamento da dimensão Universal.
 

RECONETA-TE !
 
 
 

 
Foi à pouco tempo  L O Campo da Morte - Auschwitz:

video


Elite constrói abrigos para "Fim do Mundo" em 2012:

video


UM Buraco Negro:

video



os nossos átomos serão trocados por fotões:
 
video
 
 
MUNDOS PARALELOS:
 
video
POIS TODOS SOMOS LUZ
 
Tu és o Universo assim como uma parte do Universo.
Tu és o Oceano e ao mesmo tempo uma gota no Oceano.
Larga o controle.
O Oceano ( DIVINO ) sabe onde te levar.
 
Então, sê…
O TEU SER INTERIOR


N A M A S T É

domingo, 16 de dezembro de 2012

Os donos dos Países



Isto faz pensar, mas não surpreende!!!
Já aqui, neste e noutros blogues, há muitas ideias a traduzir esta realidade, embora não tão claras e estruturadas.
E, em momentos de crise, «quando o mar bate na rocha, quem sofre é o mexilhão». E nós somos os mexilhões desta realidade.
Precisamos de despertar e recordar a história do escravo romano de nome SPARTACUS.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Privatizações



Transcrição do seguinte artigo de opinião:

TAP a troco de meio Hulk
Correio da Manhã. 12-12-2013. 1h00. Por: Armando Esteves Pereira, Director-Adjunto

Quando alguém está à beira da falência é melhor vender os anéis do que perder os dedos. É o que está a acontecer a este País em que Estado e particulares estão a alienar a preço de saldo as joias acumuladas pelos avós para pagar as contas.

A TAP é uma dessas preciosidades vendidas por um preço ridículo. O senhor Efromovich vai ficar com os 1,2 mil milhões de euros de dívida e promete investir na frota, mas só vai pagar cerca de 20 milhões de euros, o equivalente a metade do passe do futebolista Hulk. O futuro patrão da TAP é mais um a conquistar em Portugal, em saldos, uma respeitada companhia europeia. Chineses, angolanos e brasileiros já conseguiram o mesmo noutros sectores.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

COMO enganar os PROFESSORES :'(

 

No contexto que o país vive até parecem anedota alguns dos procedimentos deste DESgoverno. No caso presente o Ministério da Educação e da Ciência resolveu enviar o seguinte e-mail:
Exmo.(a) Senhor(a) Professor(a):
No sentido de uma melhor facilitação e prestação de serviços, a DGAE desenvolveu um sistema de registo de dados biográficos.
Na aplicação SIGRHE em https://sigrhe.dgae.mec.pt  no separador Geral está disponivel o Registo Biográfico (e-Bio)
 
 

Assim o docente para poder usufruir desta mais valia deverá, executar as seguintes tarefas:
Nesta aplicação, o docente deve atualizar os seus dados pessoais e preencher todos os campos referentes às habilitações/qualificações profissionais.
Pretende-se com este procedimento, agilizar processos para futuras utilizações e facultar ao docente o acesso aos seus dados pessoais/profissionais .
Após o preenchimento, deve submeter.
Posteriormente, deve aceder à aplicação, dado que a entidade de validação indicada vai validar/corrigir, validar ou deixar pendente a validação.
Se o estado da validação for pendente, apresente os documentos que comprovem os dados por si inseridos.
Para quaisquer dúvidas, consulte o manual disponibilizado na própria aplicação.
Agradecemos a disponibilidade para proceder ao preenchimento dos dados solicitados, com a maior brevidade possível, de modo a permitir a sua validação em tempo útil e a sua utilização em todos os processos que se vão desenvolver já a partir do ínicio de 2013.
Refiro por fim, a enorme importância que este registo tem no futuro de todos os docentes.
Com os melhores cumprimentos,
Eng.º João Góis
Subdiretor Geral da Direção-Geral da Administração Escolar

 
Nessa mensagem os serviços do Ministério apresentam uma nova aplicação electrónica – o registo biográfico que, dizem, será uma versão digital da informação de carácter profissional (alguma pessoal, claro) que permita uma gestão mais fácil deste tipo de dados. E quanto a isso, é uma opção do patrão que não me incomoda.
Obviamente, sempre que o MEC mexe um dedo, anexa um manual para ajudar os imbecis – licenciados, mestres, doutores – a seguirem o SEU (deles?) caminho. São procedimentos de sempre, com um percurso histórico de trapalhadas que minam toda a confiança no sistema. E desta vez a questão pode não ser de detalhe: – quando os docentes são chamadas a indicar a natureza do seu vínculo profissional, os que pertencem aos quadros são “obrigados” a ficar com uma opção que é única: Contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado. Uma leitura atenta do Estatuto da Carreira Docente permite ler o seguinte:
Artigo 29.º - Vinculação 1 — A relação jurídica de emprego do pessoal docente reveste em geral, a forma de nomeação. 2 — A nomeação pode ser provisória ou definitiva. Se calhar com os dois. Isto é, o MEC, tal como já aconteceu num passado recente, tenta mudar a natureza do vínculo dos Professores com uma jogada por baixo da mesa. Nessa mensagem os serviços do Ministério apresentam uma nova aplicação electrónica – o registo biográfico que, dizem, será uma versão digital da informação de carácter profissional (alguma pessoal, claro) que permita uma gestão mais fácil deste tipo de dados. E quanto a isso, é uma opção do patrão que não me incomoda.
Estou longe de ser um especialista nesta matéria e há muitas opiniões sobre este tema, no entanto, como acima escrevi, esta gente que nos DESgoverna não é de confiança e não há nada como estar de pé atrás.
Quando se ouve falar de aumentar a carga horária e das consequências que isso poderia ter no número de docentes (dos quadros) necessários, o despedimento é algo que começa a preocupar e muito…
Será que a mudança da natureza do vínculo facilita a abertura de despedimentos na função pública? Pelo menos em termos semânticos sim: => NOMEAÇÃO DEFINITIVA versus UM CONTRATO.
Não encontro qualquer ordem para o fazer, logo o seu não preenchimento não me levará a ter qualquer tipo de problema. Não se referem prazos e por isso vou aguardar e...
é isso que sugiro que façam !
 
 
 
 

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Ravi Shankar, mestre em sitar e PAZ



O músico e SER indiano Ravi Shankar faleceu, esta terça-feira, em San Diego, no sul da Califórnia, nos Estados Unidos, aos 92 anos.
Ravi Shankar, casado com Sukanya Rajan, tinha duas filhas: Norah Jones e Anoushka Shankar Wright, três netos e quatro bisnetos.
"Infelizmente, apesar dos esforços dos cirurgiões e dos médicos que cuidaram dele, o seu corpo não foi capaz de suportar o esforço da operação. Estávamos a seu lado quando partiu", declarou a família.
 
NAMASTÉ em tudo o que ÉS !

 
Ravi Shankar :

 


 Norah Jones e Anoushka Shankar Wright ( filhas ) :



 Ravi Shankar e a filha  Anoushka Shankar :




Ravi Shankar QUE ESTEJAS COM O DIVINO

Simplesmente Zé  12/12/12   D. CRISTO
video


terça-feira, 11 de dezembro de 2012

A PROMISCUIDADE ENTRE OS...


POLÍTICOS e os grupos económicos
é obscena e MAQUIAVÉLICA
Então…

Tolerância zero
Este fenómeno começa por se fazer sentir no Parlamento, mas chega a todo o lado. Há dezenas de deputados que acumulam a função parlamentar com a de administrador, director ou consultor de empresas que desenvolvem grandes negócios com o Estado. Em todas as comissões relevantes há conflitos de interesses, reais ou potenciais. A mais importante, a que acompanha o Programa de Assistência Financeira, tem por funções fiscalizar as medidas previstas no memorando de entendimento com a Troika, nomeadamente as privatizações ou o apoio à Banca. Pois nesta comissão tem assento Miguel Frasquilho que trabalha na Essi, empresa do grupo financeiro BES que, ainda por cima, assessorou os chineses na compra da EDP; a que se junta Adolfo Mesquita Nunes, advogado da poderosa sociedade Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva, justamente o escritório de referência da eléctrica. Na comissão de agricultura, o deputado Manuel Isaac fiscaliza um ministério que influencia a atribuição de subsídios à empresa de que é administrador. O presidente da comissão de Segurança Social, José Manuel Canavarro, é consultor do Montepio Geral, banco cuja actividade se desenvolve na área da solidariedade. Os exemplos sucedem-se.
A promiscuidade contamina até o insuspeito Banco de Portugal, em cujo conselho consultivo têm assento Almerindo Marques, ligado ao BES, ou António de Sousa, até há pouco presidente da Associação de Bancos. O banco central tem a sua actividade vigiada por aqueles que deveria supervisionar.
Pelo lado dos privados, os grupos económicos que beneficiam desta promiscuidade estão sempre disponíveis para acolher os que os favorecem. Não por acaso, ex-ministros das obras públicas transitam para as empresas com maior participação nas parcerias público-privadas. Ferreira do Amaral preside à Lusoponte, Jorge Coelho e Valente de Oliveira administram a Mota-Engil.
Para erradicar esta teia de negócios que domina a política, o Parlamento deve criar um regime de incompatibilidades muito restritivo para os detentores de cargos públicos. Que deve, num período transitório de higienização, ser de exclusividade total.
 
Texto de Paulo Morais, Professor Universitário
Correio da Manhão 2012/12/10

Ou, em alternativa, para erradicar esta teia de negócios
 que domina a política,
justiçá-los um a um,
como se esmagam aranhas



Vídeo:
Em Portugal só não temos a pronúncia… O ESQUEMA É QUASE O MESMO
No ano quem se avizinha SERÁ PIOR !  ACREDITA !
video

 
O Goldman Sachs NÃO É um simples banco...
 CONTROLA O PLANETA

O Goldman Sachs NÃO É um simples banco... CONTROLA O PLANETA


 
EM PORTUGAL QUANDO:
 OS SÓCRATES FOREM APENAS FILÓSOFOS;
 
OS ALEGRES APENAS CRIANÇAS;
 
OS CAVACOS APENAS INSTRUMENTOS MUSICAIS;
 
OS PASSOS APENAS OS DE DANÇA;
 
OS LOUÇÃS APENAS ERROS ORTOGRÁFICOS;
 
OS SEGUROS APENAS DAS COMPANHIAS;
 
OS JERÓNIMOS APENAS MONUMENTOS NACIONAIS;
 
OS JARDINS LOCAIS LAZER;
 
e…
PORTAS SÓ DE ABRIR E FECHAR...

 ... COGITAREMOS QUE VOLTAREMOS A SER FELIZES

 No entanto… TEREMOS AS:

 “The Goldman Sachs Group(s)”

 QUE ANIQUILAM O PLANETA e OS SERES L
O Goldman Sachs é muito mais que um simples banco !

O Goldman Sachs Groups é o império invisível do“mundo” financeiro!
 
A ele se deve esta “crise” e a transformação de toda a economia do Planeta numa espécie de casino onde os fracos e o povo se endividam através da cobrança de juros parra meia-dúzia de "senhores" especular selvaticamente em prol de um lucro fácil, fazemdo dos SERES HUMANOS objectos e simples números !
Tudo é feito de uma forma discreta, contudo desde a forçosa entrada do  Facebook para a bolsa até à nomeação dos presidentes dos Bancos Centrais Europeu e da América do Norte, tudo fazem !!! Assim conseguem gerir “os lobbys” de todo o sector financeiro do Planeta. A sua capacidade é tal, que controlam os DESgovernos dos aíses como simples marionetas, conseguindo assim uma COMPLETA impunidade junto da justiça Norte Americana e da Comunidade Europeia.
 
António Mendo de Castel-Branco do Amaral Osório Borges
Foi  e é É consultor de departamento do Tesouro dos Estados Unidos da América, da OCDE, ajudou a criar a famigerada União Económica Europeia e MONETÁRIA. Foi nomeado Director do Departamento Europeu do F.M.I.
Sabes porquê ?
Porque foi Vice-Presidente do conselho de Administração do “BANCO” Goldman Sachs Internacional com sede em Londres.  Em 2011, Borges ganhou ( … que nós sabemos … )  225 mil euros livres de impostos, mas defende que reduzir salários "é uma urgência".  HIPÓCRATE!

Assim É !  L
Um Armando Vara, mas a nível Planetário !
VÊ:
A FOME em:
 
                                 http://jose-pires-um-ser-livre.blogspot.pt/2012_07_01_archive.html
Ai tens outros “posts” que te podem elucidar.